Thursday, January 14, 2010

Itália - Milão - Dia 10

Avalie: 
Nosso último dia de viagem. Que triste.
Saímos de Firenze ainda de manhã rumo a Milão, de onde iria sair o voo de volta para São Paulo. Porém, o voo era só à noite, isso nos deixava com a tarde livre para dar uma rápida passeada pela cidade. Optamos por ver o topo da Duomo, que é a coisa mais famosa de Milão (e capa do nosso guia). Deixamos nossas malas no guarda-volumes da estação (por 5 euros você pode deixar até 5 horas, e depois paga mais uma quantia por hora) e saímos pro centro.

Chegamos em Milão por volta do meio dia, sob um sol maravilhoso, um p... céu azul, e um frio de rachar! Estava ventando muito, o que fazia a sensação térmica despencar. Estava com toda cara de que a previsão de que nevaria no dia seguinte iria se concretizar. Não sei se foi sorte nossa ter pego um dia lindo daqueles ou azar por não ter visto nem um pouquinho de neve caindo. De qualquer forma, deu pra aproveitar o dia.

A Duomo de Milão
Resolvemos que primeiro iríamos até a Duomo antes de almoçar. Assim poderíamos passear e depois almoçar com calma - ou não - dependendo do tempo que tivéssemos disponível. Pegamos uma pequena fila (Fila! Que novidade!) até chegar num carinha muito estressado que vendia os tickets para subir. A saída da bilheteria já era o começo da escadaria. Não tinha nem como desistir. Não me lembro exatamente quantos degraus eram, mas acho que eram uns 300, numa escadinha bem apertada e que era a mesma para subir e para descer. Então o grau de dificuldade era multiplicado por 2 quando você cruzava alguém descendo.

Lá em cima você descobre que o esforço compensa. A vista não é das mais bonitas, mesmo porque você nem está tão alto assim. Mas a construção é de tirar o fôlego. Nem pela beleza, mas pela riqueza de detalhes. Em cada torre (e havia muitas) tinha várias estatuazinhas. No guia diz que a catedral demorou cento e não sei quantos anos pra ficar pronta. Pudera. Ela tem muito detalhe.

Ficamos um tempinho pasmando lá em cima, tentando nos convencer de que não estava tão frio quanto parecia, e que o fato da gente não estar conseguindo sorrir direito nada tinha a ver com os nossos rostos congelando. Quando nos convencemos de que o frio já havia ultrapassado a beleza do momento, decidimos voltar. Mortos de fome, e com o horário quase apertado para irmos para o aeroporto - que fica bem longe da cidade -, decidimos comer num Burguer King que tem ao lado da Duomo, na própria praça. Mas ao entrar na lanchonete, nos deparamos com o improvável. O Burguer King lá é muito mais cheio do que o McDonald´s! Aquela lanchonete em questão era maior do que qualquer outra que eu já vi. Nem contei quantos caixas eram, mesmo porque eu nem conseguia enxergá-los, de tanta gente amontoada que tinha. Fizemos os cálculos de quanto tempo a gente perderia naquela "fila", e decidimos que o melhor era procurar um lugar mais tranquilo. Eu me lembrava de ter visto um McDonald´s na estação ferroviária, e como teríamos que voltar pra lá de qualquer forma, arriscamos ver se aquele Mc estava mais vazio que o Burguer King.
Nós já estávamos quase atrasados, e acabamos nos perdendo no metrô! Foi tão idiota! A gente precisava pegar a linha 3 e só conseguia chegar na linha 1. Mas que diacho! Ficávamos dando volta em círculos, caindo sempre no mesmo lugar. Detalhe que não era a primeira vez que estávamos fazendo aquele percurso. Perdemos um bom tempo tentando nos achar no metrô. Mas tudo foi compensado quando saímos pelas escadas e demos de cara com um McDonald´s quase vazio na frente da estação ferroviária! Parecia um oásis.
No ônibus, indo pro aeroporto. O pôr-do-sol estava de tirar o fôlego.

Comemos nosso lanche correndo, pegamos nossas malas, compramos os tickets do Malpensa Shuttle e fomos ao aeroporto. Mais ou menos 1 hora de viagem até chegar lá. O aeroporto, por sua vez, é uma bagunça. Quase pegamos fila errada logo de cara. Aliás, pegamos fila errada. Vimos uma fila enorme achando que era de check-in, e descobrimos que já era pro embarque. Só descobrimos porque vi as pessoas com cartão de embarque na mão.
Aí toca procurar nosso balcão de check-in, e depois procurar o local de embarque. Nossa! Que confusão! A sorte é que a gente estava com o tempo contado, mas deu tempo de fazer tudo com relativa calma. Chegamos no portão de embarque no tempo certinho da abertura.

A viagem de volta passa por cima dos Alpes. Eu não consegui ver direito porque estava à noite, mas tive a sorte de ter lua cheia. A vista à noite já é maravilhosa. Eu imagino como ela é durante o dia. Uma pena que não deu pra ver direito. Se você fizer esse voo de dia, não deixe de olhar pela janela. Garanto que não vai se arrepender.

3 comments:

Vinícius said...

Parabens pelo blog. Adorei especialmente os seus posts da Itália. Seguirei vocês aqui no blog.
um abraço
Vinícius

thais said...

Oi Vinícius,
Obrigada pela visita e pelos elogios. Esperamos seus comentários mais vezes.
Beijo
Thais

thais said...

Anônimo, eu sei que sua pergunta não está aparecendo aqui, mas vou responder mesmo assim =). Sua pergunta era se no guarda volumes da Italia havia restrição de tamanho. Pelo que eu me lembro, não havia. Você paga pela quantidade de volumes, independente do tamanho delas. Aqui no site da estação tem as informações detalhadas de preços e horários. http://www.grandistazioni.it/cms/v/index.jsp?vgnextoid=7c7094f498efb110VgnVCM1000003f16f90aRCRD

Espero que ajude.
[]