Tuesday, January 12, 2010

Itália - Siena - Dia 09

Avalie: 
Nosso penúltimo dia de viagem (e último dia inteiro) foi o mais divertido. Cansados da energia negativa de Florença, resolvemos levantar cedo e pegar o trem até Siena. Essa é uma cidade que estava no nosso roteiro original, mas que tínhamos deixado de lado quando decidimos ir pra Turim. Como ela fica perto de Florença (cerca de 1h30min de viagem no trem lento - não existem trens rápidos que fazem essa viagem), achamos que valia a pena. O valor do ticket até Siena é de 6,20 euros.

A corrida contra o tempo
Saímos do hotel num horário que desse tempo de comprar os passes e pegar o trem com um certo conforto. Mas demoramos até conseguir entender qual era a diferença entre as duas máquinas que vendiam os tickets (até agora eu acho que era a mesma coisa) e acabamos perdendo muito tempo. Quando conseguimos, faltavam uns 3 minutos pro trem sair. Mas não tínhamos o número da plataforma. Procuramos no painel que estava logo na nossa frente, mas também não encontramos. Resumindo a história, fomos descobrir a plataforma cerca de um minuto antes do trem partir, e pior, era a plataforma mais distante de onde nós estávamos. Saímos correndo igual dois loucos na estação (acrescente o frio ao meu super preparo físico e você tem o tamanho do prejuízo) até ver que o trem ainda estava lá. O Ale foi na frente gritando pro fiscal esperar a gente. Ele dizia "mais rápido, mais rápido". Eu corri o mais rápido que eu consegui, mas já estava imaginando o Ale entrando no trem e eu ficando pra trás. Assim que entramos, o trem fechou as portas e seguiu viagem. Loucura total!

Chegando na cidade
Felizmente conseguimos um lugar pra sentar juntos no trem. No caminho, vimos o sol e começamos a nos animar. Afinal, em Florença só chovia e nós estávamos loucos pra ver um pouco de tempo bom. Mas nossa alegria acabou assim que desembarcamos em Siena. A chuva lá estava pior que em Florença. Não bastasse isso, a estação fica a 2Km da cidade, e nós não tínhamos a menor noção do que fazer por lá.
Arrumamos um dos poucos cantos iluminados da minúscula estação de trem e abrimos o guia. Descobrimos qual ônibus deveríamos pegar pra chegar até o centro. Descobrimos qual era o ponto onde passava aquele ônibus e qual horário ele passaria. Quando o ônibus chegou (cerca de meia hora depois que estávamos na ferroviária), conversamos em um italiano macarrônico com o motorista e descobrimos que estávamos em direção errada. Deveríamos ir até o outro lado da rua e pegar o ônibus que volta. Estaria tudo bem, exceto por um detalhe: onde era o ponto do outro lado da rua? Andamos, andamos, andamos e não conseguimos descobrir (tudo debaixo de chuva, obviamente). Voltamos ao ponto zero e tomamos um táxi.

O taxista nos deixou em uma pracinha em frente a uma igreja. De lá partimos para a exploração a pé. Fomos até a Duomo (que é igual à Duomo de Florença, em escala menor), até a Piazza del Campo (da foto ao lado, que é diferente de tudo o que a gente já viu), descobrimos um museu da tortura, que o Ale até se interessou mas no final resolveu não entrar. Passamos o dia basicamente andando pela cidade, sem grandes pretensões. Estava chovendo, nós estávamos relativamente enxarcados (embora meu casaco tenha segurado bem a bronca), mas foi muito divertido.

Depois de estar adorando a cidade, fomos ler no guia que Siena e Florença tem um histórico de rivalidade na sua construção, uma sendo gótica e a outra renascentista respectivamente. Diz lá no guia que quem gosta de uma, não gosta da outra. E foi exatamente isso que aconteceu. Siena é bem mais italiana que Florença, passa um ar mais europeu e menos turístico. Até a geografia dela é mais interessante, por ser mais montanhosa e oferecer paisagens mais belas. Definitivamente foi um passeio que valeu a pena.

Voltamos pra casa molhados e felizes. Aliás, compramos passagem de ida e de volta, mas não houve nenhum fiscal pra ver. Se tivessemos viajado sem passagem, teríamos conseguido. Mas vai arriscar, né?

De volta à Firenze
Quando voltamos à Florença, estávamos implorando por um cachorro quente. De manhã havíamos passado por uma lanchonete e passamos o dia inteiro pensando no hot dog que estava escrito na porta. Mas ao voltar, descobrimos que estava fechado. Esse era um dia que a maioria das lojas estavam fechadas, pois era o primeiro dia do ano. Demos sorte de encontrar um Pub ao lado do hotel que estava aberto, chamado Friends. O pub é muito simpático, estava bem cheio; é de uns orientais, provavelmente japoneses. Conseguimos comer uns hamburgueres gostosinhos, o Ale tomou uma(s) Guiness e voltamos alegres e contentes pro hotel para nos preparar pra viagem de volta pra São Paulo no dia seguinte.

2 comments:

Anonymous said...

oiiii, quando li sua matéria sobre sua viajem à Siena fiquei muito empolgada, porque desde os 11 anos de idade nenhum lugar no mundo conquistou tanto meu coração quanto Siena, desde muito pequena eu amo a Itália , é um pais magico onde passado e presente se cruzam na sua frente na minha opinião, e um sonho meu ir para a Itália , espero em breve ter a honra de visitar tão maravilhoso lugar como Siena e explorar cada pedaço da tal.

thais said...

Que bom que você se identificou. Eu acho que a Itália inteira é mágica, embora só tenha conhecido uma pequena parte dela. Mas o fato dela ter milhares de anos, e ter conservado boa parte da história e da cultura, faz dela um país incrível. Siena é, sem dúvida, uma cidadezinha que vale a pena conhecer.