Monday, May 7, 2012

Buenos Aires - Não deixe de fazer II

Avalie: 
No post anterior eu deduzi que, nas suas pesquisas e conversas, já tivessem te falado sobre os pontos mais turísticos de Buenos Aires. Mas se você não sabia sobre o que eu estava falando, segue aqui um guia rápido sobre alguns dos pontos que você não pode deixar de ver se você estiver visitando pela primeira vez.

O Caminito e o Estádio do Boca Juniors
Ambos ficam muito próximos um do outro, e se encontram em um bairro chamado Boca, ao sudeste. Não é uma região muito bonita, e não se aconselha andar por lá à noite e, principalmente, desacompanhada. Durante o dia o lugar é cheio de turista e os riscos diminuem consideravelmente.

O Caminito nada mais é do que um pequeno quarteirão de casinhas pobres, pintadas com cores bem vibrantes e transformadas em lojas de suveniers e restaurantes, com algumas esculturas de gente famosa aparentemente feitas de gesso. Durante o dia a rua fica bastante animada, com música e dançarinos de tango na frente dos restaurantes, e pessoas felizes tentando fazer com que você entre nas lojas. Nós comemos em um restaurante um pouquinho afastado da bagunça, andando um quarteirão mais pra frente, numa outra esquina. Era um restaurante simpático e bem menos movimentado. Os que ficam no caminito lotam, mas não posso dizer se o serviço fica melhor ou pior por causa disso. Eu achei melhor evitar.

Bem próximo ao Caminito fica La Bombonera, o estádio do Boca Juniors. É possível visitar o estádio por dentro, mas paga-se relativamente caro (era em torno de 15 dólares, ou 25, mas não me lembro exatamente quanto). No site do time tem mais informações, mas algumas páginas não estavam entrando quando eu fui olhar. Dizem que é legal, dá pra entrar no campo, ver como as cadeiras ficam próximas ao campo e tudo mais. Eu, como não me interesso nem um pouco por futebol, achei que não valia o gasto. Mas talvez se você gostar mais do que eu, valha a pena. Também tem uma lojinha oficial que tem entrada pela rua, caso você seja que nem eu mas queira comprar alguma lembrancinha pra alguém.



Recoleta
A Recoleta é um dos bairros mais requisitados pois é onde fica o cemitério onde está enterrada Evita Perón e outras celebridades. O cemitério fica em uma praça bem bacana que tem uma feirinha de artesanato (embora chamar aquilo de feirinha, no diminutivo, seja um ultraje! A feira é enorme) com coisas também bem bacanas. A feira acontece todos os finais de semana durante o dia todo. Além das barracas dos artesãos, ainda tem música, teatro, e várias outras formas arte rolando por lá.

Eu, sinceramente, acho super legal ir pela feirinha. Mas só conheci o cemitério da segunda vez que eu fui, e ainda mais porque o guia levou a gente até lá (foi quando fizemos o bike tour) e a gente sentiu uma certa expectativa do cara que a gente conhecesse o tal do cemitério. Sei lá, pode ser que as pessoas achem bacana. Eu acho meio bizarro você fazer do cemitério um ponto turístico. Acho que ir lá, conhecer o túmulo, vá lá. Mas tirar foto sorrindo do lado dele, acho esquisitão, acho que perde um pouco o sentido da coisa, e as pessoas nem percebem. Elas param de ir lá para reverenciar uma entidade, e passam a ir lá porque está todo mundo indo e nem prestam atenção no que fazem. É exatamente a mesma discussão que eu tive quando escrevi sobre a Pietá no Vaticano. Tem coisas que perdem o sentido de ser.

Bom, mas depois desse pequeno desabafo, queria dizer que, se você achar bacana a visita ao cemitério, ele fica na Recoleta. Vai ser bem fácil de encontrar, porque vão ter outras (várias) pessoas por lá. Dá uma olhada no mapa e vê como ela é cercada de praças. É lindo lá. Vale a pena a visita. No mesmo mapa você consegue ver algumas das outras coisas abaixo, como o museu e a Flor.



Exibir mapa ampliado



Museu de Belas Artes
Bem pertinho do cemitério, atravessando a avenida, fica o Museu de Belas Artes. A entrada do museu é franca (aaaahhh, como eu adoro os museus gratuitos!), e tem telas muito boas, como por exemplo do meu amado Monet. Dessa vez não tive a oportunidade de ir, mas imagino que não deva ter mudado muita coisa. Se você estiver por lá, dá uma entradinha, ele não é muito grande e você não vai gastar o dia inteiro para conhecê-lo.

Floraris Generica
Atrás do Museu de Belas Artes e ao lado do belíssimo prédio da faculdade de direito da Universidade de Buenos Aires, fica a Plaza de las Nações Unidas. Nela fica a gigantesca flor feita em aço inox, que costumava abrir durante o dia e fechar durante a noite. Eu tive a sorte de vê-la funcionando da outra vez que visitei a cidade, mas hoje o sistema não funciona mais, e fica tão caro para consertar que o governo vai deixar como está. De uma forma ou de outra, ela não deixa de ser uma bela escultura para a cidade, em um parque gostoso para se tomar um sol no fim da tarde.

San Telmo
Eu não conheço, mas dizem que San Telmo é muito legal. Tem a feirinha de antiguidades todo domingo, e pelo que eu vi nas fotos, fica lotado. Parece que a feirinha acontece até às 17h.

Florida
Um clássico entre os brasileiros, a rua Florida é um oasis de compras. É lá que fica também a Galeria Pacifico, que tem um monte de loja cara e é bem metida à besta (eu entrei e saí rapidinho, não fiquei nem pra comer. rs). Na Florida tem tanto brasileiro que as casas de câmbio têm avisos na vitrine "temos atendentes que falam português". Tal como o centro paulistano, lá ficam pessoas no meio da rua te chamando para entrar na loja deles. Grande parte dessas pessoas é também brasileira.

Como eu falei no post anterior, não é lá que estão as roupas mais baratas. Na Av. Corrientes você consegue encontrar roupas mais baratas e com venda no atacado. Mas elas não são tão bonitas quanto na Florida.

Puerto Madero
Fica próximo à Florida (quem está na região consegue chegar tranquilamente à pé). É um bairro que foi revitalizado recentemente, e hoje abriga, à beira do rio, hotéis, prédios de escritórios e restaurantes (bem caros, diga-se de passagem). Mas o passeio por lá é bem legal, a vista é bonita tanto de dia quanto à noite, e você ainda pode explorar a sua imaginação e tentar entender como o arquiteto Santiago Calatrava enxergou um casal dançando tango na passarela que ele construiu para ligar uma ponta do rio à outra (foto abaixo).

Esse foi um resumão de algumas das coisas que Buenos Aires (ou Bs As, como é chamada lá) oferece de mais legal para o turista de primeira viagem (ou até de segunda). Claro que tem muitas outras coisas legais, mas assim como São Paulo, as coisas legais nunca vão acabar, e o post ficaria infinito. De qualquer forma, espero que tenha sido de alguma utilidade. 

Wednesday, May 2, 2012

Buenos Aires – Não deixe de fazer

Avalie: 
Talvez já tenham te falado que você não pode deixar de ir pro Caminito, ou de ver o estádio do Boca Juniors, nem deixar de ver o prédio da Faculdade de Direito que fica na Recoleta próximo à também imperdível flor que abre e fecha (ou melhor, abria) de acordo com a luz do sol, ou te falaram que você tem que ver o túmulo da Evita. Pode ser que tenham dito pra você não esquecer de ir à feirinha que ocorre todos os domingos em San Telmo, nem de dar uma passada em Puerto Madero. Ou, principalmente se você gosta de fazer umas comprinhas ou de ver vitrines, te disseram que você precisa passar na Florida.

Já que você já deve saber de tudo isso, não vou repetir tudo de novo. O que eu vou dizer aqui é que existe uma forma muito legal de você ver algumas dessas coisas: fazendo um bike tour.

O passeio
Existe um grupo que sai da Praça San Martín duas vezes por dia (às 9:30h e às 14h). Não precisa fazer reserva, você chega uns 10 minutos antes e paga na hora. Mas eles recomendam dar uma ligada antes para confirmar se tem vaga (dá pra reservar online, também) Eles têm diversas rotas, inclusive algumas que duram mais de um dia. No site tem todas as informações de rotas, reservas, horários, etc. Eu não consigo colocar aqui os links diretos das páginas, só da home page.

O Ale na frente do prédio da faculdade de direito. 

Nós fizemos o passeio que leva para Palermo e Recoleta. Por sorte, havíamos apenas eu e o Ale, então o guia tinha total atenção pra gente. Ele vai contando tudo sobre os lugares, como um city tour, mesmo. Nós vamos parando nos lugares, ele conta sobre aquele lugar específico, dá pra tirar fotos, tudo com muita tranquilidade. O passeio durou 3 horas e pouco. Passamos por Palermo Embassy, pelo parque onde fica a Rosa (tem nome aquela rosa?) que fica ao lado do prédio lindo da faculdade de direito, pelo parque 3 de Febrero, que tem os roseirais (nesse a gente ficou uns minutos, pudemos dar uma passeada pelo parque), fomos até o jóquei, e terminamos no parque da Recoleta, onde estava tendo a feirinha de artesanato. Ficamos lá uns 30 ou 40 minutos antes de voltar.

O nosso tour foi em espanhol, com um guia que tinha uma dicção super boa, e foi muito fácil de entender (eu não falo nada de espanhol). Mas também pode ser em inglês, e acho que também em português, não tenho certeza. Eu gostei muito mesmo, e recomendo fortemente. Inclusive pra quem não costuma andar de bicicleta, porque não é pesado. Principalmente porque a cidade é muito plana, e praticamente não há subidas. É bem tranquilo mesmo.

Praça San Martín
Topo do monumento de San Martín, no meio da praça

E já que esse tour começa na praça San Martín, não posso deixar de comentar: todo mundo fala sobre Caminito, e Palermo, e cemitério..., mas não ouço nunca ninguém falar da Praça San Martín, o que eu, particularmente, acho uma injustiça. A Praça é linda, tem uma estátua maravilhosa bem no meio dela (de San Martín), e em um canto tem um monumento em homenagem aos mortos na guerra das Malvinas. Essa praça fica no final da Florida.

Se você quiser um momento bem gostoso na sua viagem, faça o seguinte: pega uma hora do seu dia (principalmente se ele estiver frio e com sol), vai pra lá e deita no gramadão. Vão ter várias outras pessoas fazendo a mesma coisa, e ninguém vai pensar que você está louco. Te garanto que essa experiência vai ser bem válida. É uma delícia.

Teatros
Indo do dia pra noite, uma outra coisa legal de se fazer é aproveitar um dos vários teatros que a cidade oferece. A Av. Corrientes é cheia deles, e com preços acessíveis. Muitos deles são musicais, mas também existem comédias, dramas, e outros gêneros. Como estão todos concentrados num lugar só, é fácil de escolher uma peça e comprar o ingresso. Não sei qual é a dificuldade pra comprar ingresso na hora, pois acho que eles lotam. A gente foi num sábado, e comprou com antecedência. Pude notar que sábado não é o dia mais popular. De sexta e domingo as calçadas enchem por causa das filas. Não sei se isso acontece sempre ou se foi só um fenômeno pontual.

E, claro, o Tango!
Dizem que ir a Buenos Aires e não ver um show de Tango é como ir a Roma e não ver o papa. Eu fiz os dois: fui a Buenos Aires e não vi tango e fui a Roma e não vi o papa. rs. Mas quem já viu diz que é incrível, que não tem nada a ver com o tango que a gente vê na rua, e que os shows de tango não são pra turista ver (dito por um taxista argentino). Os próprios argentinos frequentam os shows, porque eles são incríveis, têm uma atmosfera única, com as orquestras tocando e tudo mais. Quando perguntamos pro taxista qual ele indicava pra gente, ele disse que todos eram bons. Infelizmente nossa estadia já havia chegado ao fim (esse taxista estava me levando ao ônibus que me levaria ao aeroporto), então vai ter que ficar pra próxima. Mas, se você estiver indo pra lá, talvez fosse uma boa aceitar a sugestão do taxista.



Tuesday, May 1, 2012

Buenos Aires – Aeroporto e Pesos

Avalie: 
Antes de chegar em Buenos Aires, pesquisei sobre as melhores formas de se conseguir chegar ao centro, mas obviamente não pesquisei direito. Acabei pegando um taxi, que me custou o equivalente a R$ 100!!! Mas deixa eu contar a história inteira:

Eu havia lido por aqui pra eu tomar cuidado com os taxistas do aeroporto, e que os únicos (ou os mais) confiáveis eram os do Taxi Ezeiza. Então fui logo procurando por eles. Não é muito difícil de encontrar, pois eles têm um quiosque enorme assim que você sai do desembarque. Eles aceitam pesos e dólares, só que eu só descobri isso depois de já ter trocado meus dólares por pesos lá mesmo no aeroporto, em uma casa de câmbio (troquei na Global Exchange). Eu sabia que isso não era o mais indicado, pois eles cobram uma taxa de administração de doer no peito, e os US$ 50 que eu troquei acabaram virando uns US$ 40, ou US$ 45. Sério, nunca, jamais, nem sob tortura, troque seu dinheiro numa casa de câmbio no aeroporto. Segundo a Amarílis, existe o Banco de la Nacion, no aeroporto, que oferece uma boa cotação. Eu sinceramente não sei se ele ainda está lá, se ele oferece mesmo uma boa cotação, porque eu estava tão perdida lá no aeroporto, tentando descobrir como eu ia fazer pra chegar no hotel, que eu achei melhor ir pelo mais fácil. Repito: não façam isso, tá? Não vale a pena.

Mas por que eu estou repetindo tanto isso? Porque eu fui lá, troquei meus 50 dólares, voltei pra pagar o taxi (você paga antecipado, igual aqui em Guarulhos), e foi quando eu descobri que o dinheiro não ia dar. Pensei comigo "puxa, 50 dólares não pagam uma corrida até o centro??". Aí eu descobri que eles aceitam dólares, e que ficava US$ 46 a corrida. Ou seja, olha só quanto dinheiro eu perdi nessa brincadeira! Mais de R$ 10 só por preguiça de achar um banco que fizesse uma cotação decente. Lamentável! Mas enfim, por sorte eu tinha outros US$ 50 na carteira e tudo deu certo no final. Com dor no coração, paguei o taxi e fui.

Na volta, qual não foi a minha alegria ao descobrir o Manuel Tienda Leon, uma empresa de ônibus que faz corridas pro aeroporto pela bagatela de 34,30 pesos!! Gente, é o paraíso! Ele sai do terminal da praça San Martin, colado em Puerto Madero. Tem vários horários de partida, e a viagem dura em média 45 min a 1 hora. Ele também vai pro Aeroparque, o outro aeroporto de BsAs. Se eu soubesse disso antes, teria me poupado preciosos dinheiros!

Mas... dólares??
Aí a essa hora você deve estar se contorcendo e se perguntando por que raios eu tinha dólares na carteira, ao invés de pesos, ou até mesmo reais. Pois é, eu me faço a mesma pergunta. Eu não sei. Na realidade a gente só descobriu que dava pra trocar reais por pesos quando já estávamos lá (#ficaadica), e inclusive tem algumas casas de câmbio na Florida (devem ter outros) com funcionários que falam português, tamanha a quantidade de brasileiros que passa por lá. E além disso, eu não sei por que, a gente achou que não dava pra trocar reais por pesos aqui no Brasil. E foi a maior besteira, porque quanto mais a gente troca, mais a gente perde. Então perdemos quando trocamos por dólares e perdemos quando trocamos por pesos. Mas paciência. Da próxima vez a gente já sabe, e eu espero que a experiência sirva pra outra pessoa. De qualquer forma, vale a pena dar uma olhadinha na cotação do real quando você for pra ver o que vale mais a pena. Às vezes, por causa das cotações do real e do dólar, até vale a pena fazer a troca. Não sei, sinceramente não entendo muito disso, e é por isso que eu deixo pro maridão fazer. =)
Esse site aqui (Dolar Hoy) dá a cotação das moedas lá na Argentina em vários lugares. É bem legal.

Quanto levar?
Se você não quer passar aperto, como aconteceu com a Amarílis, não confie que, só porque o câmbio está baixo, significa que você vai gastar pouco. Como ela disse, leve no mínimo 200 pesos por dia por pessoa. Só para efeito de cálculo, eu e o Ale gastávamos em média 50 pesos por pessoa em uma refeição bem feita (num bom restaurante, comendo carne). Daí já dá 100 pesos numa tacada só. Transporte, se for de ônibus sai mais barato. Mas, se for pegar um taxi, você vai acabar gastando pelo menos uns 20 ou 30 pesos, dependendo da distância. E mais os lanchinhos no meio da tarde, as compras (que por mais que a gente fale que não vão ter, sempre a gente compra uma coisinha ou outra)... e fora que a gente tem que contar com os imprevistos. E tenha sempre com você um cartão de crédito desbloqueado para compras no exterior, para o caso de ter que tirar dinheiro no caixa. A gente não conseguiu tirar dinheiro no cartão do débito (até agora não descobrimos o motivo), e tivemos que sacar no crédito. Pra cada movimentação dessas, a gente paga uma taxa de 17 pesos. Sério, pagar 17 pesos para a máquina cuspir seu dinheiro não é legal. Então levem dinheiro suficiente para não terem que passar por isso. =)